quem somos

QUEM SOMOS







O Casa Amarela 5B -Jornal Online surge da vontade de vários artistas, de, num esforço conjunto, trabalharem no sentido de criar uma relação forte com o público e levando a sua actividade ao seu conhecimento através do seu jornal online.

Este grupo de artistas achou por bem dedicar o seu trabalho pintorNelsonDias, https://www.facebook.com/pages/Nelson-Dias/79280420846?ref=hl cuja obra terá sido muito pouco divulgada em Portugal, apesar de reconhecido mérito na banda desenhada, a nível nacional e internacional e de várias vezes premiado em bienais de desenho e pintura.


Direcção e coordenação: Maria João Franco.
https://www.facebook.com/mariajoaofranco.obra
contactos:
franco.mariajoao@gmail.com
+351 919276762


Friday, June 27, 2014

AMI Art /// Lisboa




Dia 5 de Julho o AMIarte – Núcleo de Acção Cultural da Fundação AMI – inaugura a 3ª edição do projecto "ARTE URBANA NOS MUPIS LISBOA". Uma exposição que ficará patente entre os dias 2 de julho e 15 de julho. No dia da inauguração faremos o percurso num autocarro turístico que nos levará a cada um dos mupis com trabalhos desta exposição, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa. O autocarro parte às 15:00 da Praça da Figueira (topo Norte).
À semelhança do ano passado, a edição deste ano conta com a participação de 15 artistas plásticos que aceitaram o desafio. São eles: Alberto Pimenta, Albino Moura, Alfredo Luz, Cabral Nunes, Carlos Zíngaro, Eurico Gonçalves, Fernando Aguiar, Fernando Grade, Henrique Vaz Duarte, João Garcia Miguel, Jorge Pé Curto, Manuel João Vieira, Maria João Franco, Raquel Rocha e Vitor Rua. Curadoria: Carlos Cabral Nunes.

Estes trabalhos são oferecidos à Fundação AMI que, posteriormente serão vendidos num jantar-leilão a realizar em data e local a definir.

video


 Informamos  que, a partir do dia 3 de Julho até ao dia 10 será passado no Canal Lisboa,(painéis informativos do Turismo de Lisboa espalhados pela cidade) um pequeno spot informativo do projecto "Arte Urbana em Muppis Lisboa"




 LOCAIS
·         Rua Artilharia Um – TEM 2 no  Terraplano central
·         Av. Liberdade esquina com a trav. da Gloria
·         Av. Liberdade terraplano central direcção Rossio
·         Av. Liberdade frente nº 262
·         Av. Liberdade frente. Nº 145,
·         Av. Liberdade esquina Rua Machado
·         Av. Liberdade 300m antes Calçada da Gloria,
·         Av. Liberdade lateral direito,
·         Largo do Rato,
·         Rua Sampaio Pina
·         Av. Joaquim António Aguiar esquina Rua Castilho
·         Rua  Alexandre Herculano esquina Camilo Castelo Branco
·         Rua Artilharia um esquina Av. Joaquim António A. Aguiar  
·         Av. Pedro Alvares Cabral esquina trav. santa. Quitéria 





AMIarte
Paula Ppinto
Isabel Damião

Email: amiarte@ami.org.pt
Tlf: 225100701

Wednesday, June 18, 2014

O CERCO de António da Cunha Telles na CINEMATECA NACIONAL


Miguel Franco (Vitor Lopes) em O CERCO numa cena com Maria Cabral (Marta)

http://www.cinemateca.pt/Cinemateca/Noticias/Antonio-da-Cunha-Telles---retrospetiva-em-junho-e-.aspx
https://www.youtube.com/watch?v=24n3doXccSE

CINEMATECA NACIONAL - programação
O CERCO
de António da Cunha Telles
com Maria Cabral, Miguel Franco,









 Ruy de Carvalho,  Zita Duarte, Lia Gama, Manuela Maria, Armando Cortez, 
Mário Jacques, David Hudson
Portugal, 1970 – 115 min | M/12
com a presença de António da Cunha Telles
Eco tardio do Cinema Novo português dos anos sessenta (foi
realizado com película 35mm vinda da rodagem de MUDAR DE
VIDA de Paulo Rocha), o fi lme em que Cunha Telles se estreou
no duplo papel de argumentista e realizador foi também o
fi lme que revelou a extraordinária fotogenia de Maria Cabral,
aqui no papel de uma personagem que atravessa o fi lme, tão
cercada com a cidade com que a sua história se mistura: Lisboa,
1969. Produção Cinenovo Filmes, com produção executiva de
Virgílio Correia, tem fotografi a de Acácio de Almeida e música
de António Victorino d’Almeida.

 Apresentado em Cannes
em maio de 1970, foi um grande sucesso público do cinema
português dos anos setenta.

SEG. [16] 21:30 | SALA DR. FÉLIX RIBEIRO

Tuesday, June 17, 2014

MAC-Movimento Arte Contemporânea /20º aniversário

Foto: O MAC – Movimento Arte Contemporânea, tem 
a honra de convidar V. Exa para a inauguração da 
Exposição coletiva de artes plásticas, comemorativa do 
nosso 20º Aniversário, a realizar no dia 27 de junho 
de 2014 das 18h30 às 20h30, na Av. Álvares Cabral, 
58-60, em Lisboa, onde terá lugar a cerimónia de 
entrega dos Prémios MAC’2012/2014.


 MAC
 Movimento Arte Contemporânea
 20º aniversário


Inauguração da 
Exposição colectiva de artes plásticas, comemorativa do 
 20º Aniversário, a realizar no dia 27 de junho 
de 2014 das 18h30 às 20h30,
na Av. Álvares Cabral, 58-60, em Lisboa,
 onde terá lugar a cerimónia de 
entrega dos Prémios MAC’2012/2014.


Artistas em exposição no aniversário do MAC


Alberto Gordilo / Alfred Opitz / António Carmo / Artur Bual / Augusto Barros / Cruzeiro Seixas / Erró / Fernando d. F’ Pereira / Gil Teixeira Lopes/ Graciete Rosa Rosa / Guilherme Parente / Hilário Teixeira Lopes / João Duarte / João Vieira / Juan Sánchez / Júlio Resende / Lourdes Leite / Luisa Nogueira Malangatana / Maria João Franco / Marília Viegas / Mário Cesariny / Matilde Marçal / Miguel Barros / Paula Rego / Paulo Canilhas / Querumbim Lapa / Rafael Canogar / Ricardo Paula / Roberto Chichorro / Rogério Ribeiro / Saulo Silveira / Teresa Mendonça / Tomás Mateus / Vieira da Silva.

ALTAR DOS DIAS de MARIA JOÃO FRANCO e LIMITES PARA UM NOVO AMANHECER de TERESA MENDONÇA



Estão a decorrer na ARC16 galeria em Faro


 as exposições de


Altar dos dias


limites para um novo amanhecer





As mostras estarão patentes ao público até 27 de Julho de 2014.

dentro do horário normal da galeria.


Para marcação marque 961529697






Monday, June 9, 2014


ALTAR DOS DIAS

de 


 inaugura a 14 junho de  2014
 na ARC16 - Rua de Sã Luis 82, Faro 
pelas 19 horas





ALTAR DOS DIAS
Olhamos, assombrados. Olhamos e assalta-nos a incerteza da percepção, num desejo de baixar as pálpebras. Olhamos assim, em instantes de cegueira, a sombra que nos esconde o visível. Decidimos então não baixar a cabeça, não fechar os olhos, e os fantasmas desta pintura, por vezes petrificados, por vezes renascendo em raízes de árvores tombadas, iluminam-se dentro de nós, passando pela retina e selecionando-se no bloco cerebral da visão, entre milhões de outras imagens decorrentes do que percepcionamos dia a dia, porventura no fundo dos próprios sonhos.
De uma aparência por vezes sombria, esta arrebatadora pintura de Maria João Franco, aliás como nos próprios desenhos, agrega em cada apresentação conjuntos de iluminações — um intenso desejo de clarificar as metamorfoses interiores do ver e do ser, memória trágica e romântica que emerge dos nervos sob a pele e se propaga num espaço feito de coisas quase sempre inomináveis, indiciando diversas aparições do mundo, gente e bichos, corpos aparentemente amputados ou de cabeças ao alto, talvez gritando, como que mostrando o vale torturado antes da vida emergir dessa cova cósmica. Tudo parece lítico, modelado por uma civilização pós apocalipse, mas o saber daquelas forças registadas na tela obriga-nos a ressuscitar depois do próprio século XX. E então tudo se aproxima do olhar aberto, da obra aberta, ainda que ligeiramente tocada por morfologias de algum Prometeu agrilhoado, de algum Cristo crucificado, de algum Dilúvio capaz de arrancar quase todas as raízes da terra, deixando-as escancaradas e de hastes ao alto. É verdade que esta visão parece não exprimir a arte destroçada do século XX, essa colossal «soma de destruições», mas é daí e da Bíblia relida que tudo se espalha por este mundo nocturno a crescer entre desastres para nos atormentar um pouco ao jeito das obras aqui expostas, de ontem ou de hoje, denegando a tecnologia de ponta e gritando, da dor dos cortes e das metamorfoses kafkianas, o medo do colapso na contracção futura do Universo sobre si mesmo, até ao nada.
A inquietante paisagem que estes quadros formam entre si, agrupáveis por partes de possíveis semelhanças morfológicas e gráficas, é uma espécie de memória do futuro, uma forma humana fechada sobre si ou sentada em concha, na hora de um parto solitário; é também a narrativa da crise social, farrapos de gente, enforcados suspensos do nada, cãos ou lobos farejando por baixo; e a par dos riscos que reescrevem gestos, é ainda o indício gráfico do grito ou do chamamento; depois (ou antes) os troncos tombados de árvores centenárias, talvez petrificadas no espaço onde as rochas ficaram nuas, texturais, endurecidas pela luz forte dos incêndios em volta.
Claro que a arte não explicada nada, nem mesmo quando ilustra as encenações do visível ou retrata impossivelmente os santos que nunca existiram: ainda assim é dentro da sua reinvenção das coisas e dos seres que podemos palpitar ao sentir as rasuras que nos fazem prever o infinito ou nos inventam, a morte pelo homem na crucificação reformulada por Grunewald: é desse universo que vem o futuro, com os seus mortos de ontem.

Rocha de Sousa 











Saturday, June 7, 2014

Portugal INTERNATIONAL SURREALISM NOW MEDIEVAL PALACE OF EGA

Portugal INTERNATIONAL SURREALISM NOW MEDIEVAL PALACE OF EGA


 
International Surrealism Now exhibition, Palace of  Ega, Condeixa-a-Nova
June 21 to July 31 – 2014

Vernissage: June 21, 2014, at 7 pm.



INTERNATIONAL SURREALISM NOW will be presented at the Ega Palace of Ega, a medieval building erected on the ruins of the ancient Castle of Ega built in the twelfth century. The Castle was built by the Templars over a Moorish fortress conquered by D. Afonso Henriques. Turning to the Order of Christ in the fourteenth century, underwent restoration work in 1508. There are still Manueline doors and windows and some Roman stones from an ancient Roman fort that existed on the site. The Palace was recently restored to Manor House by architect Miguel Brito Correia, Classified as a building of Public Interest, it is located on a property with about 20 000 m2, surrounded by secular trees, in Condeixa-a-Nova, in central Portugal.
LUSO-AMERICAN Surrealism of the 21st century was the latest exhibition and the continuation of others from the project "International Surrealism Now" with the participation of Santiago Ribeiro, Victor Lages, Paula Rosa, Francisco Urbano and American artists, highlighting Shahla Rosa, who co-organize the exhibition held at LuminArte Gallery in Dallas, U.S.A.

In the exhibition International Surrealism Now, has participated a group of artists from the Russian Federation (Edgar Invoker, Maria Aristova, Oleg Korolev, Sergey Tyukanov, Yuri Tsvetaev and the Russian-American Anna Plavinskaya). To them, has joined Otto Rapp, from Austria, with his Visionary Art Project.
This artistic project was presented in Spain through Yamal Din; in Paris with the support of Bissaya Barreto Foundation, GAPP – Galeria de Arte Portugal Presente and Liba WS; in Berlin, organized by Santiago Ribeiro. The project started in Coimbra, with the support of Bissaya Barreto Foundation and was held at Conímbriga Monographic Museum and also in Lisbon, Setúbal, Ericeira and Amadora (organized by Victor Lages).
The surrealist painter Santiago Ribeiro is the creator of the International Surrealism Now and its major driving force around the world, via the Internet and a variety of social networks.
The International Surrealism Now exhibition at the Palace of Ega, in Condeixa-a-Nova, is supported by the United Photo Press and organized by the Municipality of Condeixa-a-Nova, through the Municipal Library, and by Santiago Ribeiro.
In the exhibition participate artists from 30 countries: Australia, Austria, Azerbaijan, Belgium, Brazil, Canada, Chile, China, Spain, USA, Philippines, France, Indonesia, England, Iran, Iceland, Italy, Japan, Mexico, Netherlands, New Zealand, Poland, Portugal, Czech Republic, Romania, Russia, Serbia, Ukraine and Vietnam.

Participating artists:
Agim Meta, Ana Neamu, Anna Plavinskaya, Andrew Baines, Brigid Marlin, Daila Lupo, Dan Neamu, Daniel Hanequand, Daniele Gori, Edgar Invoker, Egill Eibsen, Erik Heyninck, Farhad Jafari, France Garrido, Francisco Urbano, Gromyko Semper, Héctor Pineda, Hugues Gillet, Isabel Meyrelles, Keith Wigdor, Leo Plaw, Liba WS, Lubomír Štícha, Ludgero Rolo, Lv Shang, Maciej Hoffman, Magi Calhoun, Maria Aristova, Martina Hoffman, Mehriban Efendi, Naiker Roman, Nazareno Stanislau, Octavian Florescu, Oleg korolev, Olga Spiegel, Otto Rapp, Paula Rosa, Pedro Diaz Cartes, Rudolf Boelee, Santiago Ribeiro, Sergey Tyukanov, Shahla Rosa, Shoji Tanaka, Shan Zhulan, Sio Shisio, Slavko Krunic, Sônia Mena Barreto, Steve Smith, Svetlana Kislyachenko, Ton Haring, Victor Lages, Vu Huyen Thuong, Yamal Din, Yuri Tsvetaev e Zoran Velimanovic.

Exhibition Title:
International Surrealism Now at the Medieval Palace of Ega
Data:
June 21, 2014
Vernissage:
7 pm
Local:
Palace of Ega
(Condeixa-a-Nova, Coimbra, Portugal)
GPS:
40° 5’ 41.38’’ – 8° 32’ 13.37’’
Contact:
http://paco-da-ega.com/prd/



por email

Friday, June 6, 2014

Eduardo Lima Teixeira