quem somos

QUEM SOMOS







O Casa Amarela 5B -Jornal Online surge da vontade de vários artistas, de, num esforço conjunto, trabalharem no sentido de criar uma relação forte com o público e levando a sua actividade ao seu conhecimento através do seu jornal online.

Este grupo de artistas achou por bem dedicar o seu trabalho pintorNelsonDias, https://www.facebook.com/pages/Nelson-Dias/79280420846?ref=hl cuja obra terá sido muito pouco divulgada em Portugal, apesar de reconhecido mérito na banda desenhada, a nível nacional e internacional e de várias vezes premiado em bienais de desenho e pintura.


Direcção e coordenação: Maria João Franco.
https://www.facebook.com/mariajoaofranco.obra
contactos:
franco.mariajoao@gmail.com
+351 919276762


Tuesday, March 11, 2008

Rogério Ribeiro_um pintor maior

" E assim o país se apaga um pouco mais,
por cada morte aqui anunciada,
por cada perda de personalidades cuja vida e obra
constituem valores inestimáveis da nossa identidade."
Rocha de Sousa
Desenhamentos

pintura de Rogério Ribeiro

Morreu o Pintor Rogério Ribeiro.

Grande pintor a quem dedicamos grande admiração.
Companheiro com permanente empenhamento solidário nas acções que ao longo de muitos anos foi desenvolvendo.
O funeral realiza-se em Lisboa, amanhã, quarta-feira, 12 de Março de 2008, às 17h30, do Palácio das Galveias para o cemitério do Alto de S. João.

ROGÉRIO RIBEIRO

a nossas maiores homenagens



Rogério Ribeiro era natural de Estremoz, onde nasceu em 1930. Fez a sua formação na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.Em 1961 iniciou a sua actividade de professor de Pintura e Tecnologia na Escola de artes Decorativas António Arroio, em Lisboa. Em 1970 ingressa como professor na ESBAL, onde, em 1974, coordenou o grupo de trabalho de reestruturação do currículo escolar na área do Design.Membro fundador da Galeria de Desenho do Museu Municipal de Estremoz, dirige, desde 1988 a Galeria Municipal de Arte de Almada e, a partir de 1993 a Casa da Cerca, em Almada. Recebeu a medalha de Ouro da Cidade de Estremoz (2006).
Faleceu ontem, em Lisboa um dos maiores artistas do sec XX, figura incontornável das Artes e da Cultura.


A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) qualificou hoje o artista plástico Rogério Ribeiro como «um dos maiores pintores portugueses da segunda metade do século XX» e destacou o seu «compromisso com a liberdade».
«A sua obra, caracterizada pela permanente busca de novos caminhos expressivos, nunca se afastou do essencial de um compromisso que marcou toda a sua vida e que foi com a liberdade e com os valores que mais genuinamente a simbolizam», diz um comunicado da SPA.
O corpo de Rogério Ribeiro estará em câmara ardente no Palácio Galveias, em Lisboa, a partir das 19:00 de hoje e o funeral sai quarta-feira ao fim da tarde para o Cemitério do Alto S. João.”
Diário Digital / Lusa


Rogério Ribeiro era militante do PCP e director, desde 1993, da Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea de Almada.
Em declarações à Agência Lusa, a presidente da Câmara Municipal de Almada, Maria Emília de Sousa, recordou o pintor como "um grande vulto da cultura portuguesa".
"O país perdeu um grande artista", afirmou, emocionada, recordando o "homem de convicções firmes, de nobres ideais, que não se vergava aos obstáculos, às dificuldades".
A autarca comunista evocou o artista "muito generoso, de grande humanismo", que "dava espaço a outros artistas" para desenvolverem a sua actividade.
Rogério Ribeiro, que esteve na génese da Galeria Municipal de Arte de Almada, preparava-se para executar, nesta cidade, a pintura do altar da Igreja de São Sebastião, que está a ser recuperada há alguns anos pela autarquia.
Do artista existem pinturas em azulejo no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada, na estação dos comboios de Sete Rios, em Lisboa, na estação do metro de Santa Lucía, em Santiago do Chile, e no Arquivo Histórico Municipal de Usuqui, no Japão.”
Notícias RTP.PT
À sua viúva e filhos enviamos os mais profundos pêsames.
MJF

1 comment:

Mammy Lesas said...

Perdeu-se um pedaço importante da nossa história da arte. Vamos sentir falta do mundo maravilhoso com que nos presenteou tantos anos.
Os mais profundos e sinceros sentimentos à família.
Filipa Faria - jornalista "Cartaz das Artes"